Governo fecha todas as fronteiras e 25 mil estudantes brasileiros que moram em várias partes da Bolívia estão preocupados. Hoje apoiadores e contrários ao presidente Evo Morales começaram a trocar tiros e dezenas de pessoas encontram baleadas.

O governo fechou todas as fronteiras. Os conflitos começaram na cidade de Santa Cruz, onde estuda a maioria dos brasileiros que cursam medicina. Estamos em contato com as autoridades do Exército boliviano colhendo maiores informações para repassar aos leitores e o que podemos afirmar que a situação de conflito tende a piorar, inclusive com prenúncio de uma eminente guerra civil porque a oposição não aceita a derrota do último domingo e a situação promete combater àqueles que insistirem usar da violência para exigir uma nova eleição.

Oliveira Atacarejo

O caso está na Suprema Corte e Evo Morales disse que aceita qualquer resultado. Enquanto isso, a solução é sair da zona de guerra entre situação e oposição devido ao acirramento da violência, que pode tomar contornos incalculáveis. Conforme contato um militar boliviano, às 18:00 horas de hoje, ele promete maiores informações sobre a situação em várias regiões do país, principalmente Santa Cruz, a segunda maior cidade da Bolívia, berço da oposição, que sempre rejeitou dar apoio ao trabalho de Evo Morales, que será presidente pelo 04 (quarto) mandato.

É importante ressaltar que a Bolívia vem sendo o país que mais cresce na América Latina, um crescimento em de 5,7%, maior cinco vezes à do Brasil. Recentemente esteve no país um representante do governo americano que declarou apoio ao presidente Evo Morales, ressaltando que o presidente Trump tinha uma visão errada da forma como o chefe da nação boliviana vem governando o país, achando que se tratava de um governo socialista e comunista, sendo que, na verdade, Evo Morales não tem ideologia política marxista, o que credenciou o presidente americano a se tornar grande parceiro do povo boliviano. A oposição precisa aceitar a decisão dos eleitores do último domingo, consolidando o 04 (quarto) mandato a Evo Morales.

Democracia é a vontade da maioria. O contrário disso, é ditadura e, principalmente golpe, que a situação jamais concordará com o enfrentamento àqueles que querem levar o país à guerra civil. Maiores informações após às 18:00 horas. (Jornalista Ronan Almeida de Araújo).

Do Planeta Folha – Jornalista Ronan Almeida de Araújo

Comentários

Central Cell Celulares - 3451-4560