Campanha de Prevenção ao Coronavírus Governo de Rondônia

Um bebê de 1 ano morreu afogado na piscina da casa onde morava com a família, em Planaltina, cidade goiana do Entorno do DF. O pai do menino alega que o óbito ocorreu depois que ele foi preso na própria residência, sem explicação, pela Polícia Militar, deixando a vítima e outros dois filhos pequenos sozinhos ao ser levado para a delegacia.

A corporação, no entanto, nega a versão, diz que homem foi detido suspeito de participar de um roubo e afirma que, no momento da prisão, havia outros adultos no local (veja a nota na íntegra ao final do texto). A Polícia Civil apura o caso.

Miguel Tayler Pereira Gualberto morreu na última sexta-feira (3). Ele chegou a ser levado ao hospital, mas não resistiu.

Oliveira Atacarejo

Pai do menino, o agente de monitoramento Jonas Pereira Gualberto disse que cuidava sozinho de Miguel e dos outros filhos, de 3 e 6 anos, quando a polícia o abordou na sua residência. Ele diz que a mulher tinha ido ao supermercado.

“Meus meninos estavam no quarto, assistindo [TV] no começo da casa. No momento que saí no portão para pegar a vassoura, eles [policias] já me algemaram e falaram que eu estava preso. Não me explicaram, não falaram nada. Só colocou a algema e me levaram”, afirmou.

Na delegacia, Jonas não foi reconhecido pela vítima do roubo e foi liberado. Porém, ainda no local, ele afirmou que recebeu da irmã a notícia de que o filho havia morrido afogado.

A mulher dele e mãe da criança, a dona de casa Raifra da Silva, confirmou que estava no supermercado. Ela contou que tentou salvar o filho, mas não conseguiu.

“Eu pulei dentro da piscina, peguei pelos pés dele, coloquei nos meus braços, sai com ele desesperada correndo até o portão da área de casa. Uma dor terrível, parece que o chão desabou. O mundo para mim acabou. Agora só quero que isso não fique impune”, desabafa.

PM dá versão diferente

No entanto, a PM apresenta uma versão diferente. Em nota, a corporação confirma que prendeu o homem por suspeita de roubo, mas que, no momento da detenção, havia outros familiares na residência, “entre eles a esposa, a irmã e o cunhado, além de seus três filhos”.

A PM destacou ainda que “diante desta situação de tamanha comoção, nenhum fato ficará sem a devida e correta apuração”.

Investigação

O delegado Antônio Humberto Soares, responsável pelo caso, apura não só a morte da criança, como também as circunstâncias da abordagem que culminou com a prisão de Jonas.

“Determinamos que fosse iniciado um inquérito policial para apurar as circunstâncias envolvendo a morte dessa criancinha, que se deu numa operação policial, que resultou na prisão de vários indivíduos, inclusive do pai da criança”, disse.

Soares revela que outros três homens foram detidos pelo roubo, mas que eles seguiram presos, diferentemente do pai do bebê.

“Após ser levado para a delegacia, o delegado plantonista analisou todas as circunstâncias envolvendo a ocorrência e entendeu que não havia provas que justificassem a prisão dele”, avalia.

O delegado afirmou que já iniciou as diligências e intimou testemunhas. Os policiais militares também devem ser ouvidos.

“Uma morte de uma criancinha, da forma como aconteceu, tem que ter toda atenção e empenho possível para esclarecer completamente esse fato”, adianta.

Nota da PM:

A Polícia Militar do Estado de Goiás informa que ao tomar conhecimento de tal queixa, entrou em contato com o comando de Planaltina, sendo informado que de fato a Polícia Militar realizou a prisão do suspeito pelo crime descrito no artigo 157 do Código Penal (Roubo).

Lamentamos profundamente a morte da criança pelo afogamento, entretanto, diferentemente do que foi descrito pela esposa do detido, no momento da prisão do suspeito estavam presentes na residência familiares, conforme relatado no próprio Registro de Atendimento Integrado, dentre eles a esposa, a irmã e o cunhado, além de seus três filhos.

Mesmo assim, diante desta situação de tamanha comoção, nenhum fato ficará sem a devida e correta apuração, para que não paire duvidas na condução da ocorrência por parte dos policiais nela envolvidos.

Fonte: G1

Comentários

Central Cell Celulares - 3451-4560
ALE-RO