Campanha de Prevenção ao Coronavírus Governo de Rondônia

A mãe de uma menina de 2 anos afirmou que a filha foi estuprada no Hospital Dr. George Mukhari, enquanto fazia isolamento por causa da covid-19, em Pretória, capital da África do Sul. A polícia local investiga o caso.

Segundo o Catraca Livre, o  porta-voz da polícia Mathapelo Peters disse ao jornal local, News24, que a denúncia foi feita pelos pais da vítima.

CPI da Seduc revela racha na base do governo e pânico na Assembleia

Oliveira Atacarejo

A tia da menina disse, em entrevista à Agência de Notícias Africana, que a criança e a mãe foram encaminhadas ao hospital em 15 de junho. Como a filha tinha dificuldades para respirar, ela deveria testar para covid-19 e por isso ficar isolada da mãe que foi orientada a ir para casa.

A menina ficou um dia no hospital. Ela teve alta no dia seguinte após os médicos dizerem que seu teste deu negativo para o coronavírus.

Porém, de acordo com a tia, ao voltar para casa, a criança passou a apresentar um comportamento muito estranho. Ela estava com dificuldade para andar e sempre chorava. Enquanto a mãe trocava a fralda, descobriu um líquido branco em suas partes íntimas. Ela inicialmente pensou que era medicação, pois a criança estava no hospital. Mas, no dia seguinte, esse mesmo líquido ainda estava saindo.

Com o passar dos dias, a menina se recusava a brincar e sempre chorava. Ao observar as partes intimas da menina, a mãe percebeu que a situação não era normal e decidiu levá-la ao médico. Na clínica KT Motubatse, a enfermeira disse que havia indicação de que a vítima teria sido molestada.

A polícia de Gauteng, em Pretória, confirmou que está investigando o caso. O hospital também relatou que está fazendo sua própria investigação sobre o ocorrido e alegou que está a todo momento em contato com a família da vítima.

Comentários

Central Cell Celulares - 3451-4560
ALE-RO