Governo de Rondônia
Governo de Rondônia

O assassinato de José Carlos Ribeiro, de 50 anos, que ocorreu no dia 25 de dezembro, em Cuiabá, foi esclarecido pela Delegacia Especializada de Homicídios e Proteção à Pessoa de Cuiabá (DHPP). Uma travesti de 30 anos foi presa pelo crime, o qual ela confessou.

A assassina disse que começou namorar a vítima, depois de ele ter estuprado a sobrinha dela, e por fim concluiu sua vingança com o assassinato.

O caso aconteceu em dezembro de 2020, no bairro Altos da Glória.

Oliveira Atacarejo

A travesti manteve relações sexuais com José Carlos, em seguida, o golpeou com um pedaço de madeira e uma faca até a morte.

A assassina foi presa na segunda-feira (18), no Residencial José Carlos Guimarães, em Várzea Grande, em um cumprimento de mandado de prisão preventiva.

O caso

A vítima foi encontrada morta na cama, em sua residência, e o corpo apresentava lesões causadas por instrumentos contundente e cortante. Um pedaço de madeira, com um prego na ponta, foi encontrado no local.

A equipe, coordenada pelo delegado Caio Fernando Albuquerque, coletou informações de que no dia do crime uma pessoa monitorada por tornozeleira eletrônica esteve na residência da vítima.

Após ser identificada, a investigada foi ouvida pelo delegado e confessou o crime. Segundo ela, três meses antes do fato, quando ainda não tinha relacionamento íntimo com José Carlos, estava tomando cerveja com a vítima junto com a sobrinha dela, de 14 anos.

Logo após, saiu da casa para comprar e fazer uso de entorpecentes, quando momento depois sua sobrinha a procurou chorando e dizendo que a José Carlos havia tentado violentá-la sexualmente.

A investigada retornou então à casa da vítima para tomar satisfação do ocorrido, mas o homem negou o ato de violência, embora a adolescente tenha confirmado o abuso.

Após isso, ainda segundo depoimento da investigada, ela decidiu que mataria a vítima e pediu que a adolescente não comentasse a ninguém o ocorrido e que resolveria a situação.

Conforme narrado no depoimento, vendo que a vítima tentava uma aproximação, a investigada começou a ter encontros amorosos com José Carlos e afirmou ao delegado que passou a fazer isso para aproveitar a oportunidade e vingar o que ocorreu com sua sobrinha. Em um dos encontros, após se relacionarem, ela golpeou a vítima com o pedaço de madeira e com uma faca.

“Os elementos de prova colhidos durante as diligências comprovam que não houve homicídio privilegiado – quando a vítima provoca o cometimento do crime pouco antes de sua prática. Mas sim, que o crime foi motivado por vingança, configurando a qualificadora de torpeza na medida em que, premeditadamente, o autor planejou a ação homicida cerca de três meses depois do referido comportamento da vítima. Além disso, ficou configurada a qualificadora de impossibilidade de defesa pois, ao que tudo indica, ao contrário da versão da investigada, a vítima dormia quando foi golpeada”, explicou o delegado Caio Albuquerque.

Com base nos elementos coletados na investigação, o delegado representou à Justiça pela prisão preventiva da investigada.

O inquérito segue para conclusão e ela será indiciada por homicídio qualificado.

*Com informações da PC/MT

Comentários

Central Cell Celulares - 3451-4560