Governo de Rondônia
Governo de Rondônia

O jornalista Alexandre Garcia repercutiu esta semana em seu canal na Internet a atuação de uma suposta guerrilha composta por aproximadamente 40 milicianos e que vêm invadindo fazendas, colocando funcionários de propriedades pra correr através da força de intimidação e com a utilização de armamento pesado no interior do Estado.

Segundo o renomado jornalista, dentre os relatos feitos por Marcos Rocha, na capital federal, o grupo possui o nome de “Liga Camponesa dos Pobres”. Na realidade, o nome correto seria Liga dos Camponeses Pobres (LCP), um grupo criado em Rondônia em 1999 e que defende uma Revolução Agrária e que teria ligação com as Farc colombiana.

O grupo, segundo relato do jornalista, “tem todas as características, estratégicas, táticas, armas, ligações com drogas, e muita munição”. Toda as fazendas, segundo ele, foram assaltadas com modus operandi idênticos por homem muito bem armados, que espancam os funcionários dessas fazendas e dão muitos tiros para o alto.

Oliveira Atacarejo

O jornalista disse ainda que a “polícia e a inteligência da Segurança Pública estadual já descobriram, inclusive, ingredientes para refino de droga”. A situação está tão crítica que já motivou, inclusive, uma reunião em Brasília, envolvendo os Ministérios da Defesa, Ministério da Justiça, Procuradoria da República e Conselho Nacional de Justiça.

Em seu post na Internet, denominado “MISSÃO CAMPO PROTEGIDO”, Marcos Rocha fala que apresentou ao presidente Jair Bolsonaro o problema das invasões e crimes bárbaros cometidos em Rondônia. Mostrei as imagens dos nossos policiais assassinados, de jovens executados, torturas, fazendas produtivas e legais destruídas, casos de estupros, destruição da floresta, roubos e estoque de armamento de uso exclusivo das forças armadas, refino de cocaína e outras drogas.

Fonte: rondoniadinâmica

Comentários

Central Cell Celulares - 3451-4560