Governo de Rondônia
Governo de Rondônia

A luta de um jovem imigrante africano, que comoveu pessoas em todo o mundo ao tentar entrar no enclave espanhol de Ceuta amarrado a garrafas de plástico para flutuar, ganhou nesta sexta-feira (28) nome, sobrenome e uma história.

Aschraf Sabir tem 16 anos e foi abandonado ao nascer. A mulher que o adotou morreu há cinco anos e ele foi adotado por uma segunda mulher, uma viúva de um bairro pobre de Casablanca, no Marrocos, segundo o jornal espanhol “El País”.

Nas últimas semanas, milhares de pessoas têm tentado entrar em Ceuta e Melilla, dois enclaves da Espanha no norte da África, que fazem fronteira com o Marrocos, pelo mar.

Oliveira Atacarejo - Sempre o Melhor Negócio

Com cerca de 80 mil habitantes cada território, as cidades portuárias de Ceuta e Melilla se tornaram ímãs que atraem refugiados que buscam um caminho rápido para a Europa.

Em entrevista ao “El País”, Aschraf afirmou que seu sonho é ir para a Espanha “para poder ajudar minha família primeiro e estudar para realizar meu futuro”.

Ele conversou com o “El País” na casa da sua família em Casablanca, a cerca de 400 km de Ceuta. Foi a terceira tentativa do adolescente de entrar no enclave espanhol.

Sua segunda mãe adotiva, Miluda Gulami afirmou que Aschraf “é um menino muito ambicioso”.

“Estou muito feliz com ele e espero que possa realizar seus sonhos. É um menino muito ambicioso, tem muitas qualidades, e eu não sou capaz de satisfazer seus sonhos”, afirmou Gulami.

Com a repercussão do caso, uma ONG prometeu pagar seus estudos e lhe dar uma casa.

Entenda a crise migratória

Ceuta e Melilla são dois enclaves espanhóis cobiçados pelo Marrocos. As duas cidades portuárias são as únicas fronteiras terrestres entre a União Europeia e a África e, por isso, são muito procuradas como rota de imigração entre os continentes.

Autoridades marroquinas barram a tentativa de imigrantes de entrar nas cidades.

Mas a suspeita é que, desta vez, elas fizeram vista grossa à onda migratória porque a Espanha acolheu Brahim Gali, líder da Frente Polisário e inimigo político do Marrocos, para tratamento de Covid-19 em um hospital em abril.

A Frente Polisário é considerada um grupo terrorista pelo Marrocos. O movimento revolucionário defende o direito à autodeterminação do Saara Ocidental, território a oeste do país que foi colonizado pela Espanha e anexado pelo Marrocos em 1975.

O referendo pela soberania da região de 270 mil km² chegou a ser acertado pela ONU, mas nunca foi realizado.

Em novembro, depois de um longo período de trégua, as hostilidades recomeçaram e Gali declarou estado de guerra na região.

Mapa com localização de Ceuta e Melilla — Foto: Elcio Horiuchi/G1

Mapa com localização de Ceuta e Melilla — Foto: Elcio Horiuchi/G1

Fonte: G1

Comentários

Central Cell Celulares - 3451-4560