Governo de Rondônia
Governo de Rondônia
Por telefone, foi entrevistado na manhã deste sábado, 10, o eletrotécnico Diordan Machado, protagonista do que parece ter sido um milagre: ontem, ele conseguiu escapar da morte quando foi levar a moto anunciada no Facebook para o comprador, que na verdade era um rapaz de 20 anos que havia planejado matá-lo para ficar com o veículo.

 

Diordan, de 30 anos, contou que em nenhum momento desconfiou de Ronaldo Pena Matias, o algoz frio, que já havia até aberto uma cova no quintal de casa para sepultar o corpo da vítima após a execução.

Segundo Machado, em nenhum momento ele desconfiou do rapaz que poderia tê-lo matado, já que Ronaldo era bem humorado e explicou de forma convincente porque estaria comprando a moto: disse que fazia parte de um grupo que percorria longas distâncias em duas rodas e, por isso, precisava de um veículo mais potente.

Oliveira Atacarejo - Sempre o Melhor Negócio

Diordan contou que, ao entregar uma caixa contendo papeis ao invés de dinheiro, o criminoso enrolou o fio elétrico em seu pescoço sem lidar tempo de reação. Com muito esforço, ele conseguiu arrastar Matias até a área da varanda, onde o derrubou sobre um monte de madeiras.

Quando os dois ficaram frente a frente, o assassino teria pedido para eles resolverem a situação sem chamar a polícia. Quando o agressor entrou na casa, a vítima pulou um muro vizinho e acionou a polícia.

LIGOU PARA A MÃE
Depois de sair da delegacia onde havia registrado a queixa, Diordan voltou à casa de onde saiu milagrosamente vivo. No local, ele encontrou o padrasto de Ronaldo, que o definiu como “menino problema”.

Neste momento, o homem contou que o enteado havia cavado a sepultura e levou a vítima até o local. “Eu fiquei sem reação, pois poderia ter sido enterrado naquele buraco”.

No momento em que a mãe do assassino chegou ao local, recebeu no celular uma ligação dele. O rapaz contou que havia caído com a moto roubada, mas Diordan não ouviu o restante da conversa.

MÃE PRESSENTIU
Frequentador de uma igreja evangélica na avenida Perimetral, o eletrotécnico não tem dúvidas de que só está vivo “pela mão de Deus”, que o teria livrado do assassinato.

O jovem revelou que sua mãe sentiu “um aperto no peito” quando ele estava saindo de casa para ir mostrar a moto ao suposto comprador. “Ela foi para o quarto, dobrou os joelhos e orou. Eu fiz a mesma coisa depois, pois sei que foi Deus quem me salvou”.

Fonte: Folha do Sul

Comentários

Central Cell Celulares - 3451-4560