Governo de Rondônia - Institucional
Governo de Rondônia - Doação de Sangue
terça-feira, abril 23, 2024
Prefeitura de Pimenta Bueno

Usada em rituais de magia e nos porões de embarcações; conheça as lendas da jiboia na Amazônia

A jiboia, uma serpente nativa do Brasil, é facilmente encontrada na região Norte do país. Acontece que na Amazônia, esse animal leva uma série de representações cultuais, como:

  • 🐀 ser usada nos porões de barcos para controlar os roedores;
  • 🧙‍♂️ e comercializada nos mercados clandestinos para ser usada em rituais de magia;

Para tentar entender melhor suas representações, o g1 conversou com uma pesquisadora que se dedica ao estudo das comunidades ribeirinhas e à importância da educação ambiental nesses locais.

Recentemente, Lucileyde Feitosa também lançou um livro infantil que aborda as representações da cobra jiboia na região Norte.

Controle de roedores

A origem dessa prática é um mistério, mas segundo as narrativas regionais, as cobras começaram a ser empregadas nos porões de embarcações por volta de 1999.

Essa peculiar tradição cultural surgiu como uma solução engenhosa adotada pelas comunidades ribeirinhas que habitam às margens dos rios e igarapés para combater a infestações de roedores.

Cobra jiboia  — Foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação

Cobra jiboia — Foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação

De acordo com as lendas, essas embarcações transportavam suprimentos, como sacos de farinha e alimentos perecíveis, mas com a descoberta de que a jiboia, uma cobra não venenosa e uma predadora natural de roedores, houve a chance de ter a ajuda de uma aliada valiosa para os viajantes.

Com isso, a serpente se transformou em uma inusitada guardiã dos porões, controlando as infestações e garantindo a saúde daqueles que comeriam os alimentos.

A busca pelo amor

Para alguns, a jiboia é apreciada como uma espécie de “animal de estimação”, mas para outros, ela possui o poder de atrair aqueles que estão em busca do amor.

De acordo com as lendas, a busca incessante pelo amor faz várias pessoas recorrerem á práticas de magia. Essa ‘porção do amor‘ é uma mistura de sexos de algumas espécies de animais, como o uso de botos fêmeas e machos, e os olhos de jiboia.

Comunidade ribeirinha às margens do rio Madeira, em Porto Velho — Foto: Jaíne Quele Cruz/g1

Comunidade ribeirinha às margens do rio Madeira, em Porto Velho — Foto: Jaíne Quele Cruz/g1

Essa mutilação não acontece somente com as serpentes, mas como outros animais silvestres comuns na região Amazônica, que podem acabar tornando raro o aparecimento dessas espécies na região, revelam os contos.

Comércio ilegal dos órgãos

A lenda que envolve o comércio de banhas e peles de animais silvestres na região é enigmática e carregada de histórias de geração antigas.

Conta-se que essas práticas culturais são comuns e não é raro deparar-se com essas valiosas partes de animais sendo discretamente negociadas nos mercados locais.

Jiboia comprada online em um perfil de rede social. — Foto: PF/Reprodução

Jiboia comprada online em um perfil de rede social. — Foto: PF/Reprodução

Parte dos corpos desses animais são usadas de diversas formas: elas podem ser essenciais em rituais tradicionais, onde acreditam que os espíritos dos animais oferecem proteção e bênçãos.

Além disso, esses materiais são vistos como fontes de cura e remédios naturais, com propriedades mágicas e terapêuticas. Vale destacar que, profissionais da saúde não recomendam o uso dessas substâncias para o tratamento de doenças.

‘A cobra encantada’

Essas narrativas, sobre os contos relacionados a jiboia, surgiram a partir dos encontros da professora e pesquisadora Lucileyde Feitosa, do Departamento de Geografia da Universidade Federal de Rondônia (Unir), com ribeirinhos, após longas viagens pela Amazônia.

Recentemente, ela lançou o infantil “A Jiboia Encantada“. Este livro é resultado da vivências da pesquisadora e conhecimento adquirido junto aos habitantes da região e representa a importância da literatura infantil na preservação de animais silvestres na Amazônia.

Segundo ela, o livro explora o mundo encantado e as representações culturais das comunidades ribeirinhas amazônicas.

A jiboia encantada, personagem principal, enfrenta diversos desafios na luta pela sobrevivência na floresta e ressalta a importância da sua preservação para a floresta.

Em Porto Velho, os exemplares serão destinados às crianças ribeirinhas e as escolas locais, permitindo que a obra seja utilizada como recurso educacional, e garantindo que todas as crianças do Ensino Fundamental tenham acesso aos conhecimentos sobre a preservação cultural e ambiental da Amazônia Ribeirinha.

Fonte: g1-RO

Mais Lidas

Mais Notícias

spot_img

Últimas Notícias