Governo de Rondônia - Institucional
segunda-feira, julho 22, 2024
Prefeitura de Pimenta Bueno

13 desastres aéreos e 18 incidentes com aviões foram registrados em cinco anos em RO

Entre 2019 e 2023, Rondônia registrou mais de 30 ocorrências envolvendo aeronaves. As informações são do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), por meio do Sistema de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Sipaer)

As ocorrências foram categorizadas como ‘acidentes’, ‘incidentes’ e ‘incidentes graves’. Durantes 5 anos foram registrados em Rondônia:

  • 13 acidentes;
  • 16 incidentes;
  • 2 incidentes graves.

A principal diferença entre os termos está na gravidade e nas consequências. Os acidentes geralmente causam graves danos, enquanto os incidentes são eventos não planejados, mas de menor gravidade.

De acordo com os dados do Sipaer, as principais causas dessas ocorrências incluem falhas no motor durante o voo, estouro de pneus, colisões com aves e excursão em pista. Veja os dados completos:

Tipos de ocorrências registradas

Tipos de ocorrência n° Acidentes n° Incidentes/Incidente grave
Falha do motor em voo 3 1
Estouro de pneu 4
Indeterminado 4
Colisão com ave 3
Excursão em pista 2 1
Com trem de pouso 1 1
Perda de controle em voo 2
Pane seca 1 1

Entre os fatores que contribuíram para as ocorrências aéreas estão a atitude do piloto, supervisão gerencial, julgamento de pilotagem, manutenção da aeronave, sistema de apoio e aplicação de comando.

Já em relação a cidades onde ocorreram essas ocorrências, Porto Velho lidera, seguida por Vilhena e Ji-Paraná (veja o ranking completo abaixo):

  1. Porto Velho (12 incidentes, 1 acidente, 1 incidente grave);
  2. Vilhena (5 acidentes e 1 incidente);
  3. Ji-Paraná (1 acidente e 1 incidente grave);
  4. Espigão D´Oeste (2 acidentes);
  5. Alta Floresta (2 acidentes);
  6. Ariquemes (1 incidente);
  7. Candeias do Jamari (1 incidente);
  8. Cacoal (1 acidentes);

A maioria dos incidentes ocorreram em operações privadas, regulares e em táxis aéreos, de acordo com Sistema de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos.

Tipos de aeronaves

Em relação aos modelos de aeronaves, o monomotor Cessna 208 (C208) foi o ‘mais envolvido’ em incidentes. Por outro lado, quando se trata de acidentes, as aeronaves ultraleves (ULAC) lideram.

A principal diferença entre essas aeronaves é que o C208 é um avião de médio porte com capacidade para transportar várias pessoas e carga, enquanto os ultraleves são aeronaves menores e mais leves, normalmente projetadas para acomodar apenas um ou dois ocupantes.

Dois aviões caíram e quatro pessoas morreram em 2023

Os acidentes aéreos mais recentes aconteceram em período de menos de dez dias entre os meses de julho e agosto. Os dois aviões de pequeno porte caíram em Rondônia e provocaram a morte de quatro pessoas.

O primeiro acidente foi no dia 20 de julho, quando um monomotor caiu na zona rural de Alta Floresta D’Oeste. O proprietário do avião, identificado como Samuel Gonçalves de Castro, e um pedreiro, conhecido como Josias, morreram no acidente. A aeronave caiu em uma chácara perto da entrada da cidade.

Acidentes aéreos em Rondônia; dois aviões caíram em dez dias — Foto: Reprodução

Acidentes aéreos em Rondônia; dois aviões caíram em dez dias — Foto: Reprodução

Já no dia 29 de julho, um bimotor caiu na zona rural em Vilhena (RO), próximo da divisa com o Mato Grosso, e matou o pecuarista e piloto Garon Maia Filho e seu filho, Francisco Veronezi Maia, de apenas 11 anos.

O vião Beechcraft Baron 58 decolou do aeroporto de Vilhena (RO) por volta de 17h50 e desapareceu do radar minutos depois. O bimotor foi encontrado e foi possível identificar que ele se chocou violentamente contra árvores de uma mata fechada em Vilhena.

Os dois acidentes aeronáuticos estão sendo investigados pelo Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), da Força Aérea Brasileira.

Avião que caiu com pecuarista e filho tinha caixa-preta? Entenda

Saiba mais

Segundo o Cenipa, a apuração não trabalha com “causa” de acidente, mas com fatores contribuintes para a queda das aeronaves, em um processo que visa prevenir novos acidentes aéreos.

Fonte: g1 RO, Por Emily Costa

Mais Lidas

Mais Notícias

spot_img

Últimas Notícias